Subscribe Twitter

quinta-feira, 2 de agosto de 2012

O Problema das Adaptações

Nem vou me desculpar pela falta de tempo. Prometo que em breve organizo dias de postagens mais direitinho.
Enfim. Uma vez li que se você quiser saber o que vai passar na TV daqui dez anos, é só ler os livros lançados hoje. Ouso dizer que mesmo livros lançados há bem mais tempo tem sido usados descaradamente pra produzir séries e filmes, o que em si não tem nada de errado, mas que sempre me causa um idio... digo, um indivíduo que me aparece e diz "mas por que você vai ler? Veja a série / o filme".
Ah, claro, porque é a mesma coisa, SÓ QUE NÃO.


A questão é a seguinte: geralmente, quando um livro é transformado em filme, em geral - com certas exceções - o filme se baseia muito, muito mesmo, no livro. No caso de Harry Potter, por exemplo, os produtores SABEM que, caso deixem muita coisa de fora, mudem demais, os fãs vão trucidá-los. Ou xingar muito no twitter, o que hoje em dia pode mesmo complicar alguém.
Mesmo com algumas mudanças (a fúria dos Potterheads não impediu que a Toca fosse queimada no sexto filme, ou que Ginny virasse uma personagem rasa e sem graça, ou que bom, nada de nada fizesse sentido), os filmes mantêm, pelo menos, o plot original. Muitas vezes, os personagens são até parecidos fisicamente com suas descrições. Sei que os fãs de Percy Jackson estão gritando "HOLD THE FUCK UP" pra mim agora, mas convenhamos, em geral, as adaptações de livros são no mínimo aceitáveis. Muitas vezes são um convite a leitura do livro - estou louca pra por as mãos em um exemplar de jogos vorazes, só não o fiz ainda por causa do orçamento, e também porque a lista corrente de "livros para ler" está fora de controle. E como disse a linda Tahereh Mafi, além disso, o livro pode acabar ganhando mais fãs, porque quem lê o livro depois percebe o quanto é mais completo e perfeito.
Apesar dos pesares, eu tento ser compreensiva com os roteiristas porque, como eles vivem apontando, é sempre complicado compactar todos os acontecimentos de um livro em duas horas de filme. Junte a isso as exigências comerciais - os filmes devem ser curtos, para que mais sessões sejam exibidas, ou alguns acontecimentos de livros ficam gráficos demais se colocados no filme e complicam a classificação etária - e aí você tem um bocado de coisas que tornam quase impossível deixar uma adaptação em filme como gostaríamos, e acabam servindo mais como um "resumo" que pode (ou não) realizar o sonho dos fãs de ver personagens amados na telona.
(Levanta a mão quem vai estar lá gritando quando Lucinda Price der as caras no cinema! o/)

Já o problema com as séries acaba sendo outro. Se o problema nos filmes é falta de tempo para colocar todos os acontecimentos, nas séries, o tempo sobra e quando uma série precisa ser alongada, vira uma baderna.
Claro que isso não é desculpa. É só pensar em Pretty Little Liars. A série é ótima - mas só a idéia inicial é a mesma. Ali era uma bitch, andava com suas amigas bitches e desapareceu, e suas antigas amigas começam a receber mensagens de alguém que se auto-intitula "-A.". Pronto, acabou a semelhança.

Eu adoro Pretty Little Liars, aliás. Tanto os livros quanto a série. É preciso sempre pensar nelas de modo separado, porque TUDO é diferente. Quem leu os livros sabe que alguns detalhes  - muito poucos - se mantiveram, mas até os detalhes foram cortados, picotados, esfarelados e retorcidos.
Digo tudo isso porque, depois de escrever a resenha de Gossip Girl eu notei que, sempre que pegasse um livro que gerou uma série, precisaria mencionar isso - que na leitura, é necessário esquecer a série e vice-versa.
Gossip Girl, aliás, eu li mais por curiosidade que por necessidade, mesmo. Os livros não me interessaram muito, e acabei gostando mais da série. Como eu disse na resenha, os personagens nos livros são simplesmente... um porre.
Outra coisa que preciso confessar e muita gente não vai curtir: Não me acertei com os livros da L. J. Smith. E me surpreendi, porque gostei das séries. Bom, mais ou menos.

Os Diários do Vampiro (TVD), claro, está entre minhas séries preferidas. E nos livros, achei meio "meh", apesar de só ter lido o primeiro e há muito tempo. Claro, a série me dá vontade de dar uma segunda chance aos livros. O que me lembro é que, na leitura, a esquemática pra mim era a mesma. Elena é um porre, Stefan é um porre, Damon é uma delícia. E isso é tudo que importa. (Se bem que no livro, Elena é MUITO mais chatinha, Stefan é MUITO mais banana e Damon - ah, Damon - é infinitamente mais badass.)

Já The Secret Circle (preparem as pedras) foi uma decepção pra mim. Tanto o livro quanto o seriado. Vejam, a premissa é boa. Mas vamos combinar? Cassie é um pé no saco. Adam então, nem se fala. Meus louros vão a Faye e Diana, que em minha opinião, são as estrelas. Me interessaria muito mais se o livro/ a série focasse muito mais nas duas do que no romance malfadado da Cassie.
Mas meu maior problema com The Secret Circle (TSC) foi, acreditem ou não, a própria adaptação. Nas outras séries, apesar dos pesares, as premissas são as mesmas. Mas em TSC, de repente, o círculo de 12 que toda a cidade conhece e teme se torna o círculo de 6 sobre o qual ninguém pode saber. Olha, se é pra alterar, tanto, nem precisavam dizer que se basearam nos livros. Aliás, seria mais digno, assim como, ao escrever Crepúsculo, Stephenie Meyer confessou que se inspirou em TVD. Se os personagens tivessem nomes diferentes, assim como a série, juro pra vocês, eu nem notaria que o seriado de TSC foi baseado nos livros.
(Mas aí suponho, a série não seria tão vista se não se fizesse um paralelo como “baseado nas obras da autora de The Vampire Diaries”. Eu veria, mas porque amo a temática.)

Muita gente me diz que, no que diz respeito à fidelidade de seriado em relação a livro, Guerra dos Tronos é campeã. Aí não sei dizer, porque eu não vi a série, e me prontifiquei a ver só quando ler os livros. Eu sei, vai demorar. Mas eu realmente acho que é uma saga que merece que eu me dedique a ela com tempo.
Por fim, tem Dexter, que até onde me contaram, não tem praticamente nada a ver com os livros, exceto a premissa inicial do serial killer que se mistura na sociedade, e a história contada de seu ponto de vista. Mas para mim é uma das mais difíceis de julgar porque, gente, eu AMO esse seriado. Sou totalmente fangirl irracional do Michael C. Hall e não sei se ia amar tanto se lesse os livros (embora saiba que um dia vou acabar cedendo).

Enfim, eu sei que não existe adaptação perfeita. Em relação aos filmes, a que eu penso que teve menos a ver com o livro (das que vi!) foi Delírios de Consumo de Becky Bloom - e apesar de ser um dos meus filmes favoritos, o livro também é maravilhoso - e um não tem quase nada a ver com o outro. Prova de que um pode funcionar independente do outro, desde que a gente saiba separar, e não considerar como um livro transformado em Live Action, mas uma adaptação MESMO. A mesma premissa usada de modos diferentes. Nos filmes, em geral comprimida em duas horas, nas séries, alongada (muitas vezes de um jeito sem pé nem cabeça) para ocupar várias temporadas, e claro, muitas vezes fazendo uma breve salada, arranjando personagens novos do nada, criando situações bizarras que não vão a lugar nenhum, salvando quem devia morrer e matando que não dá audiência. Mas mantendo a idéia original.
E por mais que eu ame, ame, ame a maioria das séries e filmes que mencionei, compreendo perfeitamente a frustração dos fãs... que ficam lá, esperando com fervor que suas cenas favoritas apareçam na tela e sejam como eles imaginaram. E muito frequentemente, se decepcionam. É por isso que sempre prefiro os livros.

Ainda nesse tema, começaram as filmagens de Cidade dos Ossos.... vamos ver no que dá. Eu nem comecei o livro ainda, mas estou com altas expectativas.

3 comentários:

Paty Algayer disse...

Adorei o post, Priscila!
As adaptações de livros para séries devem ser encaradas como histórias diferentes mesmo, já que a maioria (exceto Game of Thrones, que é super fiel aos livros) muda muito o rumo dos acontecimentos... Já os filmes acho que eles pisam na bola, fazem muita modificação desnecessária!
Bjus,
Paty Algayer - http://www.magicaliteraria.com/

Jeniffer Yara disse...

AHH as adaptações... Tão faladas por aí, já que o que mais vemos são livros sendo adaptados atualmente, seja pra filmes ou séries. Eu acho que sou meio-termo, apesar de preferir ler os livros antes de ver alguma adaptação e sei que eles tem mais detalhes e tudo, eu gosto de adaptações, algumas decepcionam mesmo, como Percy Jackson, nem o ator que faz o Percy é parecido com o Percy do primeiro livro --' Mas enfim, eu ainda gosto de ler um livro e depois partir pra assistir ao filme ou a série que foi adaptada, ver algumas coisas que imaginei em minha mente ali na tela do cinema ou da TV...
Sobre filmes bem adaptados, só li o primeiro livro de Harry Potter *vergonha, eu sei* e quando fui rever o filme, até achei uma boa adaptação, assim como Orgulho e Preconceito. Os delírios de consumo de Becky Bloom eu só assisti o filme, mas quero muito ler o livro, que bom que nem um nem outro decepciona <3
Agora sobre TVD, eu posso falar o/ rs Como assim você só leu o primeiro livro?! Esse primeiro livro é como a primeira temporada da série, um pouco 'fraca', focando mais no romance de Stefan e Elena, e é, o livro e a série são MUITO diferentes mesmo, mas não consigo amar um mais do que o outro, gosto dos dois ♥ Aliás, preciso ler os livros mais recentes que lançaram, foi por causa dessa série que me interessei e conheci L. J. Smith e me apaixonei pela narração sobre criaturas sobrenaturais >< O Círculo Secreto eu amei, mas sou suspeita pra falar, amo a autora, amei a série e fiquei super decepcionada por terem cancelado :X O primeiro livro é meio fraco mesmo, mas quero ler o segundo, acho que nele vai ter mais ação e lá, Faye é bem pior do que foi na série. rs
Enfim, eu gosto de adaptações, mas ainda prefiro ler antes de assistir alguma >< Belo artigo!

Beijos
Meu outro lado

Idéias Abertas disse...

O seu blog é super interessante! Principalmente este post! Você tem toda a razão, é super diferente o livro do filme! Gostei de tudo aqui é a primeira vez que venho aqui e gostei de tudo!

paranoiadasideias.blogspot.com

Postar um comentário