Subscribe Twitter

segunda-feira, 23 de julho de 2012

Ecos da Morte - Kimberly Derting

Título Original: The Body Finder
Ano: 2011
Editora: Intrínseca
Páginas: 268
Avaliação:



A Violet Ambrose tem dois problemas – o dom mórbido e secreto que carrega desde a infância e Jay Heaton, seu melhor amigo, por quem está apaixonada. Aos dezesseis anos e confusa com os novos sentimentos em relação a Jay, ela começa a ficar cada vez mais incomodada com sua estranha habilidade – Violet encontra cadáveres. Desde pequena ela percebe os ecos que os mortos deixam neste mundo. Ruídos, cores, cheiros. Mas não todos, apenas os das vítimas de assassinato. Para ela, isso nunca foi um grande talento. Na maioria das vezes, tudo o que encontrava eram pássaros mortos, deixados para trás pelo gato da família. Mas, agora que um serial killer está aterrorizando a pequena cidade onde mora e os ecos das garotas assassinadas a perseguem dia e noite, Violet se dá conta de que talvez seja a única pessoa capaz de detê-lo. Em pouco tempo ela estará no rastro do assassino. E ele, no dela.


Ah, Ecos da Morte. Namorei esse livro por semanas antes de comprar. Eu estava em uma fase de comprar demais e ler de menos. Mas acabei me deixando seduzir tanto pela capa quanto pela história e cedi ao desejo de por as mãos nele.
Bom, o livro. Ecos da Morte é o primeiro livro da série “The Body Finder” (A tradução exata seria algo como “A Encontradora de Corpos”, mas vocês percebem o problema). A série trata da história de Violet,  uma garota de dezesseis anos que tem o horrível dom de encontrar corpos de vítimas de assassinato, sejam pessoas ou sejam animais. Pouquíssimas pessoas sabem do dom de Violet – Além da sua família, apenas seu melhor amigo de infância, Jay, compartilha seu segredo.
Violet está começando um novo ano na escola e se vê perdidamente apaixonada por Jay, sem saber como lidar com seus sentimentos – por menos que queira estragar a amizade que cultivam há anos, ela está enlouquecendo ao ver que não foi a única a notar como o garoto ficou... interessante.
E como se não bastasse, em um dia que tinha tudo para ser perfeito para que os dois se aproximassem, Violet acontece de “tropeçar” no corpo de uma garota – a primeira vítima de um serial killer.
Cabe aqui explicar o dom de Violet. Segundo ela, os mortos – os assassinados, pelo menos – deixam para trás ecos.  Esses ecos são apelos aos sentidos de Violet – e podem ser qualquer sensação. Do nada, ela ouve um som de sinos. Vê uma luz colorida. Sente um gosto estranho na boca. E seguindo esses ecos, Violet sabe, ela vai encontrar um cadáver cujo eco só vai lhe dar paz depois de adequadamente colocado para descansar.
Por mais estranho que seja, a melhor coisa sobre Violet é que ela é uma garota perfeitamente normal.  O tipo de garota que você vê todo dia por aí, saindo com os amigos para o shopping no fim de semana, que mente para os pais para ir a uma festa em uma sexta-feira à noite. Ela nunca se deixou  abalar pelo seu dom, mas isso talvez seja porque, até então, geralmente encontrava apenas animais mortos.
Agora, é claro, como uma garota – quase – normal de 16 anos, ela eventualmente mete os pés pelas mãos, algo que pode ser bem perigoso quando ela decide que vai usar seu dom para caçar o assassino que está matando garotas exatamente como ela. Ainda mais porque não demora muito até que ela seja o novo alvo dele.
Apesar da tensão policial e sobrenatural, esse livro tem um estilo muito, muito light. Não espere grandes momentos filosóficos.  Um dos pontos que levam várias pessoas a criticar os livros é que o enfoque ficou muito grande nos sentimentos da Violet por Jay, muito mais que na caçada ao assassino. Eu discordo. Achei o equilíbrio justo – ela está sim caçando um assassino, mas não deixa de ser uma adolescente apaixonada. E quem nunca colocou uma paixão adolescente a frente de um problema bem mais sério que atire a primeira pedra.
Outro ponto a favor foi o modo como, entre um capítulo e outro – narrado em terceira pessoa, mas do ponto de vista da Violet – temos um vislumbre do ponto de vista do assassino. Nada muito revelador. Só o suficiente para te lembrar “esse é um thriller. Sinta o poder do suspense”.  E saber, cinco minutos antes de Violet que ela está com um problema, é suficiente para aumentar muito a tensão caso isso não fosse revelado. Fãs de suspense sabem a agonia do bom e velho “Não, sua idiota, não entre aí!!!”
Olha, vou ser bem sincera com vocês: demorei uma eternidade para terminar o livro. Mas eu estava em ressaca literária e em crise pessoal. Então não sei se a culpa é minha ou se o livro é um pouco arrastado, mas ainda assim vale a pena. Você torce para que Violet encontre o assassino tanto quanto para que ela ache uma solução para a situação com Jay.
Bom, em suma, é uma boa pedida para quem gosta de suspense – mas lembre-se que é light. É uma boa pedida para quem gosta de romance, e aliás, tem um tantinho de cenas sexies bem interessantes.  E para aqueles que, como eu, quase enfartam quando terminam um livro de uma saga e precisam correndo para ler o próximo, não tem cliffhanger – aquele momento que você diz “Oi? Como? Cadê o resto?!” – você pode ler esse livro isoladamente e nem se lembrar que existe uma continuação.
A continuação, Desejos dos Mortos, saiu no último mês aqui no Brasil e eu já comprei, mas ainda não tive tempo de ler. O mais interessante é que, mesmo sem cliffhanger, eu fiquei louca para ler a continuação. Violet e Jay são tão cativantes que não via a hora de voltar a vê-los em um novo momento. Então o livro ganha um 4,5, não só porque tem uma boa escrita, mas também porque conseguiu me fazer gostar dos personagens o bastante para que eu pense neles como pessoas, mesmo, amigos que queria muito rever.

8 comentários:

Ana Paula disse...

Oii!
Lendo assim me interessei em ler o livro (ler não é o problema, o problema é $$$$$$). Primeiro que eu torci o nariz quando vi que é série, por causa daquele problema de ficar louca com a continuação, mas se vc diz que nao é desse jeito, então eu acredito hahahahahaha! Eu só não gosto desse negócio de romance. Eu sou bem preconceituosa né hahahahaa! É uma série de quantos livros? Acho que vou comprar.

Terminei ontem aquele "O próximo item da lista". Adorei!! Ai hoje vou começar À caça de Harry Winston, da Laura Weisberger, rezando pra ser bom que nem o Diabo Veste Prada.

Hein, só uma dica, vc podia colocar o preço médio dos livros pra eu saber o rombo no meu orçamento (eu quando leio resenha de livro quase sempre quero comprar).

quero resenha de pretty little liars (TODOS)!!!!

La Mademoiselle disse...

Oi,

sou louca para ler esse livro, ele parece ser muito bom!! Amei a resenha!

Bjs

HONORATO, Sandro disse...

Boa noite :)
Como vai?
Eu desconhecia a obra mas pela resenha parece ser bem interessante *---*

Seguindo aqui.
Vi que estas participando do sorteio lá no blog,boa sorte :)

Beijos

www.rimasdopreto.com

agnes disse...

eu tb desconhecia, mas me pareceu interessante tb!
vou procurar saber mais e julgar haha

tá rolando uma promo incrível no meu blog, confere lá!

beijos - Rascunhos e Borrões

POESIA NA ALMA. disse...

olá,
Adorei seu blog.
A resenha ficou ótima, não leio suspense, pois me dá dor de barriga e azia... aff
Gostei deveras da resenha e tenho percebido que agora virou moda escrever me trilogia...
Visita meu blog:
http://lilianpoesiablogs.blogspot.com.br

Juliana Severo disse...

A capa desse livro já tinha me chamado atenção e agora, definitivamente, me deu muita vontade de ler. A resenha está ótima :D
bjs
Juh - umceudeletras.blogspot.com

canto da estante disse...

Nossa eu quero muito ler esta serie parece ser tao legal e as capas sao bem bonitas!!!

nocantodaestante.blogspot.com

Caleb Henrique disse...

OH-MY-GOSH!
Tudo que eu consigo pensar é 'Como diabos eu ainda não tinha parado para ler a sinopse desse livro até esta data?'. Na boa, não tem como não querer ler o livro depois de ler isso tudo. Parabéns, Pri. Você acaba de adicionar mais um livro a extensa lista de "não devo, não posso, mas vou comprar!" ha-ha.
E, aah... Abacaxi!!

Assim me despeço, com a promessa de voltar.
E como há braços, abraços.
Caleb Henrique
Viajante Literário

Postar um comentário